Waking Life – Janaína Modesto

Filosofia Animada
6905_heading
WAKING LIFE (Waking Life)

EUA, 2001 – 99 min

Animação

Diretor: Richard Linklater

Roteiro: Richard Linklater

Elenco: Vozes na versão original: Wiley Wiggins, Kim Krizan, Ethan Hawke, Julie Delpy, Charles Gunning, Lisa Moore, Louis Mackey, Steven Prince, Caveh Zahedi, Adam Goldberg, Nicky Katt, David Martinez, Steven Soderbergh, Louis Black, Richard Linklater

Waking Life é uma obra visualmente deslumbrante e original, que oferece até alguns tratados intrigantes filosóficos sobre os princípios fundamentais da vida, enquanto sendo uma fonte constante de humor e espanto. Toma sua consciência, através de uma série de conversas e monólogos, através de diferentes filosofias. Mais ainda ao tomar as filmagens e colocá-las através de uma técnica de animação e o que se obtém é, ironicamente, considerando-se o título, uma excursão pelo sonho através da física, metafísica e delírios lunáticos em uma escala heróica. Surpreendentes em sua originalidade, deslumbrante, na sua erudição, ele enfrenta sem medo questões do livre-arbítrio, a identidade e a natureza da própria realidade sem nunca perder o seu sonho dentro de um sonho de qualidade. E isso é bom, porque seu tema central é se a vida “acordada” é de alguma maneira significativamente diferente do sonho, ou melhor, um sonho lúcido. Também não escorrega para os pântanos de pedantismo pretensioso. Linklater é sério, mas não insuportável. Humorado entrega a mensagem tão facilmente como uma proposição lógica.

A animação de Waking Life não segue a tradição das características da Disney. Utilizando da técnica de rotoscopia interpolada Linklater filmou todo o filme em live action, em seguida, transferiu digitalmente as imagens para computadores, onde o animador Bob Sabiston, supervisionou o processo de pós-produção em que 31 artistas, animaram de forma individual, geralmente dando duas caracteres para permitir uma variedade de estilos e interpretações. O resultado final é incoerente e sonhador, com imagens que são por vezes finamente detalhados e, por vezes, quase cru. Os fundos com freqüência vacilam, fazendo parecer que toda a ação ocorre a bordo de um navio balançando suavemente. Isso tudo é intencional, uma vez que a cada momento de Waking Life é para transpirar como se estivéssemos dentro de um sonho.

Waking_Life_by_TensionHead26

Sem possuir um roteiro convencional, e mais provavelmente trabalhando apenas com notas e idéias, Linklater utiliza cerca de trinta personagens para explorar a questão: “Será que somos sonambulos quando estamos acordados ou estamos acordados quando estamos sonhando?”. Para encontrar as respostas ele utiliza o protagonista anônimo e silencioso interpretado por Wiley Wiggins, estrela de “Jovens, Loucos e Rebeldes“, um jovem que voltou à cidade onde anos atrás, uma menina brincando daqueles jogos de dobradura de papel (não sei o nome daquilo, mas é daquelas brincadeiras onde se diz um número e a pessoa move o papel com os dedos até chegar num ponto onde ao desdobrar o papel à uma resposta) desdobrou para mostrar-lhe as palavras “sonho é destino”. E a partir disso ele parece estar em um sonho, e queixa-se que, embora ele saiba que é um sonho, ele não pode/consegue despertar. Ele vagueia por pessoas e lugares. Encontrando diversas teorias, crenças e sanidades através de uma grande variedade de pessoas, incluindo Robert C. Solomon, filósofo da Universidade do Texas, Speed Levitch, um tagarela contador de histórias, o diretor Steven Soderbergh e os atores Ethan Hawke e Julie Delpy, que oferecem debates e diálogos em ambos os elementos abstratos e concretos da existência composta de uma série de discussões filosóficas que vão desde como a linguagem evoluiu para o papel da mídia na vida moderna, o livre arbítrio e a mecânica quântica para o sentido de identidade.

Linklater encontra inúmeras maneiras de filosofar sobre a existência e realidade. Não há o interesse sexual, não há violência, não há história: apenas conversas. Este é um filme com as pessoas falando sobre o significado da vida. E isto não é supostamente irônico, ou cômico. Você não rirá deles. Você não rirá com eles, também. Está presa na seriedade, estranha insidiosa do que está se desenrolando. Como forma de enriquecimento teórico, muitos pensadores e personalidades foram pesquisados como forma de referências, alguns dos nomes citados pelos personagens são: o cineasta Jean-Luc Godard, o cineasta Robert Bresson, o cineasta Louis Malle, crítico de cinema André Bazin, o escrito Philip K . Dick, o poeta Garcia Lorca, o escritor Thomas Mann, romancista DH Lawrence, o filósofo Friedrich Nietzsche, filósofo Soren Kierkegaard, droga guru Timothy Leary, escritor e existencialista Jean-Paul Sartre.

wakinglife (1)

Um filósofo diz a Wiley como o pós-modernismo, com seu ponto de vista da identidade construída por determinantes sócio-ideológicos, não cumpriu a humanidade e que o existencialismo, tão longe de ser uma afetação datada, é preferível a visão do mundo. Outro pensador, um biólogo molecular, postula uma teoria neo-darwinista da evolução de dois sistemas – um digital, da tecnologia da informação, o outro analógico, da biologia e da clonagem – o que levará à ênfase da guerra, ódio e sofrimento. Um prisioneiro furioso ruge sua sede de vingança de trás das grades. Um ativista dissidente de uma forma Ballardiana fala sobre o amor orgástico do homem no caos: antes de se banhar com gasolina e acender um fósforo ateando fogo no próprio corpo. Um dos discursos escritos sobre o cinema do crítico André Bazin sobre o momento “sagrado” do cinema, quando a câmera olha sobre a realidade: a realidade, inalterável inefável, como um próprio Deus.

Este é um filme deslumbrante e avassalador, uma verdadeira obra de arte única. É uma aberração intelectual que será lembrada por sua aproximação ao espírito filosófico da vida, é um filme que me deu muito prazer e alegria em assistir. É um fluxo livre de idéias baseados em um roteiro improvisado. Ele reflete a curiosidade do diretor que não tem medo de aprender e desbravar novos caminhos. O filme não está preocupado com o enredo ou sobre a tentativa de trazer respostas concretas, mas trazer idéias é a própria mensagem. Por si só, este filme está mais próximo da realidade do que a maioria dos filmes. Se há alguma crítica a Waking Life é que Linklater tem limitado o seu potencial, limitando o recurso a uma série de conversas. Isso também significa que às vezes você se encontra assim envolto pela imagem inebriante que é difícil de concentrar-se na lábia dos personagens. No entanto, parece grosseiro reclamar que havia muita coisa para absorver, quando o caso é geralmente o oposto. Waking Life, certamente não é para todos, mas, em grande parte devido à sua abordagem fresca e seus discursos infinitamente fascinantes, ele acaba ficando com você por muito tempo após as agitadas imagens animadas terem sumidas da tela. A resposta, suponho eu, é vê-lo novamente, e então, é que você vai perguntar Será que somos sonâmbulos quando estamos acordados ou estamos acordados quando estamos sonhando?

Dica: Não se preocupe, se tiver vontade de ler filosofia qdo o filme terminar.

Boa semana, até a próxima.

Os sapatos dos famosos!

A série de Frederico Mauro’s em que reproduziu em fotos os óculos dos famosos fez sucesso e agora o artista lança Os Sapatos dos Famosos, que segue a mesma linha de ilustrações. As quais são possíveis serem reconhecidas ao observarmos. São personagens e grandes nomes retratados por seus calçados. Tem Mulher Maravilha, Steve Jobs, Carrie Bradshaw, Kurt Cobaim e outros! Dá uma olhada:

famousfootwear01 famousfootwear02 famousfootwear03 famousfootwear04 famousfootwear05 famousfootwear07 famousfootwear08 famousfootwear09 famousfootwear011 famousfootwear11 famousfootwear13 famousfootwear14 famousfootwear15A série leva o nome de Footwear Famous! Gostaram?

 

Heroes Kids – Andy Fairhurst

Olha posso dizer para vocês que é uma das séries mais legais e bonitinhas que  já pude ver do universo Geek e da cultura pop! Os super heróis povoam o imaginário de muitos designers e ilustradores mundo a fora, então sempre há algo de novo neste segmento, são várias as releituras. E desta vez Andy Fairhurst retratou um grupo de super-heróis muito conhecidos dos amantes de HQ como crianças! A arte é linda! Espero que vocês gostem também!

944461_575919599126833_266817365_n 998164_575919752460151_1556728617_n 998994_575919282460198_1417659947_n 1004769_575919292460197_1016244115_n 1009748_575919582460168_1074286663_n 1011712_575919065793553_235259877_n 1012612_575919769126816_1406213053_n 1013038_575919015793558_1219763712_n 1013653_575919449126848_828148261_n 1014332_575919325793527_1610346421_n

 

E aí gostaram?

Fonte: GEEKS

As T-shirts assinadas por Kleber Matheus!

17505_10152016418838574_1112365303_n 1000700_10152016426448574_205852883_n

Não posso negar! Quando me deparei com as fotos destas t-shirts na minha timeline, uma vontade muito grande de tê-las cresceu em mim! (risos) Sim! Foi inevitável e eu digo por que: Estas camisetas são uma parceria entre o artista plástico e diretor de arte Kleber Matheus e a marca francesa Agnés B. para o verão 2014. E para a criação das estampas Kleber teve como inspiração o carro chefe de seu trabalho: os famosos neons! Eu simplesmente adorei, pois o artista traduz muito bem a junção entre moda e arte, numa pegada cool que tem tudo para cair no gosto dos jovens mais modernos tanto da Europa quanto do Brasil!

Quero pra ontem!

Dog art – SP

A partir de hoje começa a mostra Dog Art na cidade de São Paulo! Este tipo de projeto já contou com criações de vários artistas plásticos e como protagonistas, já rolou Orelhões, vacas e rinocerontes! Entre os cães feitos em fibra, poderão ser vistos bassets, buldogs, vira-latas e outros em tamanho real e claro, muito coloridos!

viralats DOG-ART

 

Confira as datas e locais da mostra:
Shopping Market Place – de 22 de abril a 12 maio com 50 esculturas
Metrô – linha verde – Vila Madalena – de 22 a 30 de abril com 30 esculturas
Metrô – linha vermelha – Santa Cecília – de 30 de abril a 12 de maio. Terá oficina e exposição com 30 esculturas
Metrô – linha azul – Paraíso – durante o mês de maio. Terá oficina e exposição com 30 esculturas
Mube – dia 15 de maio acontece o leilão dessas peças
Mube – exposição entre os dias 13 e 16 de maio

Colorindo a cidade com o melhor amigo do homem!

Fonte: Jornal Estado de São Paulo.

Expo 8 Meninas

Já está rolando em São Paulo a mostra de fotografia 8 Meninas. O projeto retrata o universo erótico de 8 fotógrafas, que obviamente, registraram essa atmosfera por meio de suas lentes.

A exposição conta com nomes nacionais e internacionais e o foco dos trabalhos está diretamente ligado à sensualidade, erotismo, a delicadeza e o universo feminino.  As fotógrafas presentes nestes trabalhos são: Érika Garrido, Helena Wolfenson, Isadora Brant, Juliana Nadin, Natalie Melot, Layla Motta e Luiza Sigulen e Guna Saulite.

O resultado final são imagens cheias de sensibilidade, bem trabalhadas e consequentemente muito fortes! Vejam:

expo5

Foto: Juliana Nandin

expo1

Foto: Layla Motta

expo2

Foto: Nathalie Melot

expo3

Foto: Guna Saulite

expo4

Foto: Erika Garrido

 

Portanto não vá perder! Esses e muitos outros registros estarão presentes por lá!

8 Meninas – DOC Galeria.

De 3 de abril a 4 de maio. Segunda à sexta, das 11h às 19h; sábado das 11h às 14h

Rua Aspicuelta, 662, Vila Madalena – SP

Fonte: Site Revista TPM